icon-telefone
MARCAÇÃO DE CONSULTAS

(85) 3063.3381(85) 9 8851.6148

Diferenças entre Ortopedia e Neurocirurgia

Imagem: Shutterstock Imagem: Shutterstock

Muitas pessoas, inclusive alguns médicos, têm dúvida acerca da especialidade médica mais adequada para o tratamento das doenças da coluna vertebral.

A princípio, vale salientar que o Conselho Federal de Medicina (CFN) esclarece que qualquer médico inscrito no Conselho Regional de Medicina (CRM) é permitido exercer toda a medicina, ou seja, qualquer médico está apto a tratar patologias da coluna vertebral.

Entretanto, alguns médicos optam por estudar mais a fundo algumas doenças e fazem residência médica em alguma área específica que tem mais afinidade.

Neste caso, refiro-me ao ORTOPEDISTA e ao NEUROCIRURGIÃO que são especialidades reconhecidas pelo Ministério da Educação e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Vale também salientar que a especialidade CIRURGIA DE COLUNA não existe perante o CFM, sendo vedado a intitulação “ESPECIALISTA EM COLUNA ou CIRURGIA DE COLUNA” sob risco de penalidade pelo Conselho.

A especialidades NEUROCIRURGIA é obtida após o médico estudar na faculdade de medicina por seis anos e na residência médica por mais cinco anos. Trata-se de uma especialidade médica que se ocupa do tratamento de adultos, crianças e neonatos portadores de patologias do sistema nervoso central e periférico.

A Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN) divide sistematicamente em alguns departamentos de estudo: COLUNA, base de crânio, endovascular, funcional, nervos periféricos, neurointensivismo, oncologia, pediatria, radiocirurgia, trauma e vascular.

Um neurocirurgião pode tratar assim:

(a) traumatismos cranianos, encefálicos, espinhais e de nervos periféricos;

(b) lesões vasculares intracranianas e suas consequências: aneurismas, mal-formações artério-venosas, hemorragia, hematoma;

(c) tumores do encéfalo e da caixa óssea craniana, bem como tumores da coluna;

(d) edema cerebral, abscessos, parasitoses cerebrais, cistos, deformações congênitas do crânio;

(e) afundamentos e falhas ósseas;

(f) dores crônicas diversas com procedimentos cirúrgicos;

(g) hérnia de disco, estenoses, degenerações discais sintomáticas, listese da coluna vertebral, escolioses, fraturas por osteoporose, síndrome facetária, compressão radicular;

(h) inserir e retirar próteses diversas do crânio e coluna espinhal/vertebral;

(i) trabalhar como pesquisador, perito médico judicial, professor, desenvolver próteses.

Os neurocirurgiões através da história clínica do paciente e exames físicos compreenderem as alterações das partes chave e precisas que têm de ser operadas. Ferramentas como exames de Raios-X, TC ou CT (Tomografia Computadorizada), Ressonância Magnética, Cisternocintilografia, Eletroneuromiografia, e outros tipos de exames auxiliam secundariamente no raciocínio diagnóstico a identificar o sítio anatômico do problema, bem como posteriormente definir a estratégia terapêutica mais apropriada.

Já a Ortopedia é a especialidade médica que trata das doenças e deformidades relacionadas aos elementos do aparelho locomotor, como: ossos, músculos, ligamentos e articulações. Obtida após a faculdade de medicina (seis anos de duração), quando submetido a residência médica de Ortopedia e Traumatologia (três anos de duração).

A ortopedia se disseminou como um ramo da medicina na época romana, onde se desenvolveu métodos cirúrgicos de se consertar fraturas. Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatoloiga (SBOT) dividem em alguns comitês de estudo: coluna, joelho, mão, ombro e cotovelo, oncologia ortopédica, ortopedia pediátrica, osteoporose, quadril, tornozelo e pé, trauma ortopédico e traumatologia do esporte.

Outro importante campo de atuação da especialidade é na área do esporte, onde temos as lesões esportivas com características próprias de cada esporte em particular (um gesto, uma lesão). As lesões decorrentes das atividades esportivas envolvendo o sistema músculo-esquelético de modo geral envolvem os músculos, tendões, cápsula e ligamentos articulares e os ossos nos mais diversos graus de comprometimento, afastando o atleta de suas atividades esportivas por tempo determinado, de acordo com a gravidade da lesão.

Fonte: Wikipédia, Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN), Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT)

 

Compartilhe: